fbpx

INFORMATIVO

30/10/2020 A importância da ressonância magnética na embolização de miomas
Foto profissional grátis de ajuda, análise, anatomia

A realização do exame de ressonância magnética pélvica com contraste é de grande importância em pacientes candidatas à embolização de miomas, tanto no pré-procedimento quanto no acompanhamento pós-embolização.

Antes do procedimento, o exame é utilizado para avaliar a quantidade, a localização, o tamanho e a vascularização dos nódulos miomatosos.

Por meio da ressonância magnética, é também possível identificar a presença de diferentes doenças pélvicas, como as neoplasias malignas, endometriose, adenomiose, entre outras, que podem influenciar na indicação e no planejamento do tratamento do mioma uterino. A avaliação prévia da vascularização pode ainda sugerir ao radiologista intervencionista o resultado que poderá ser obtido com a embolização. A importância da ressonância magnética na embolização de miomas

O exame volta a ser realizado para controle por volta do terceiro mês após a embolização, com o objetivo de fornecer informações sobre o sucesso do tratamento, possibilitando observar a diminuição obtida no volume do útero e do mioma. Neste momento, a avaliação da vascularização do mioma através da ressonância permite ainda observar se a desvascularização e necrose do nódulo miomatoso ocorreu da forma desejada, indicando o sucesso da embolização.

Por outro lado, a observação da presença de áreas vascularizadas nos nódulos pode representar algum problema na embolização. As falhas neste procedimento podem estar ligadas à uma finalização precoce, ou à utilização de partículas em quantidade insuficiente, ou ainda ao uso de tipos de partículas não recomendadas

Fonte: https://www.viamed.com.br/news/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre no nosso grupo sobre Mioma
Social Share Buttons and Icons powered by Ultimatelysocial